sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

ESSA BIG-COCA É FANTA-LIGHT!

Conheci um homem alto, magro, cabelos pretos com corte chanel-de-bico, roupas e perfume chanel, maquiagem mac, sapatos louboutin , unhas pintadas da cor dos sapatos, bolsa e jóias tiffany.
Homem inteligente, vocabulário impecável, distinto, elegante... Pensei: meu Deus que bela fêmea não fosse ele um macho-travestido!
Acomodou-se na mesa ao lado da minha e eu, lógico, não pude deixar de admirar e dizer: você está deslumbrante, espetacular, fashion! (Como é dificil arranjar "adjetivos assexuados", ou seja, sem definir gêneros).
Começamos a conversar, ele me apresentou sua personal-stylist (na verdade, uma dama de companhia), me descreveu todas as marcas de seu visual e disse o seguinte: eu sou homem, não sou gay, gosto de me vestir de mulher para me sentir parte do universo feminino. E continuou para reafirmar sua masculinidade: sou casado!

Ana (A): Como devo lhe chamar?
Fernanda (F): Me chame de Fernanda.
Capeta-pensante (CP): (Fernanda, tu é macho até embaixo de outro macho!).

(A) - Por que você não se veste assim e sai com sua esposa? Seu fetiche não pode adentrar seu mundo particular? Ou você se realiza levando uma vida dupla só pela adrenalina de fazer algo escondido?
(F) - Você sairia comigo vestida assim?
(CP) - (Toma sua idiota, quem mandou ser tão invasiva. Agora responde o que a linda dama lhe perguntou).
(A) - Eu, bem, quero dizer, não cogitei tal possibilidade! Mas creio que sim, sairia com você se eu fosse sua esposa.

(F) - Adoro estar no meio das mulheres e me sentir uma delas.
(A) - É mesmo, por que você não circula um pouco pelo salão?
(CP) - (E não é que a donzela levantou e saiu desfilando!? Tu tá linda bichaaa!).

(F) - Você costuma vir muito aqui? Quais lugares que você frequenta?
(A) - Venho pouco aqui. Acredito que este lugar seja muito pop e não faça jus à sua produção. Sugiro-lhe tal lugar.
(CP) - (A bicha-decidida se foi. Ufa, já estava pegando mal tu ficar de conversa com ela/ele...).

Fiquei imaginando a mulher daquele homem, senhor Jesus, ele deve ter dito que viajou à negócios e está desfilando na noite paulistana vestido de perua-chique. Talvez a mulher dele tenha em casa o melhor marido que possamos sonhar em ter. E se assim for, qual o problema do menino imitar Julia Roberts à chanel?
Com estes acontecimentos eu percebi que sou bem moderninha no discurso, mas meu "capeta-pensante" é um tosco-preconceituoso. Aliás, vou me vingar...

(A) - Que mais esperar do "capeta-pensante" de uma mulher como eu que frequenta bares gls com amigos e paquera os garçons?
(CP) - Tu deve ser uma lésbica não assumida e, para piorar, se comporta como uma hetero-periqueti (paquerar garçons? que pobreza!).

Genteee choquei; tô rosaaa! Que capeta-pensante cretino! Acredito que - da próxima vez que eu sair - serei menos tola e mais moderna se me vestir como homem e pedir para me chamarem de Fernando. Ainda assim, correrei o risco de alguém comentar: essa crush é tubaína genérica!!! kkkkkk....

A propósito Fernanda - eu a reverencio pela ousadia e elegância! Seja feliz menino/a!




quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

INSPIRAÇÃO DIVINA

"Que medo alegre, o de te esperar." - Clarice Lispector

Numa noite destas fiquei rolando pra lá e pra cá na cama. Simplesmente o sono sumiu, fiquei em estado de alerta mental - embora meus olhos estivessem cerrados - foi como se meu corpo estivesse plugado à uma bateria e por mais que quisesse me desligar teria que esperar o tempo certo para a energia descarregar.
Daí comecei a divagar: trabalhei, conversei com minha família, fiz planos para o futuro, me imaginei bem mais velha, visitei amigos, questionei as coisas do mundo terreno e espiritual ... E nada de conseguir dormir!
Em minha teoria os homens geralmente perdem o sono quando se veem impotentes literal ou figurativamente, quando estão sem dinheiro e sem crédito na praça, quando amam uma mulher e temem que ela lhes enfeitem a testa (a possibilidade de ser corno tira o sono de qualquer homem). Viu como os homens tendem a ser  simples? - Falta de dinheiro, impotência sexual e mulher vaca (já que o parceiro da vaca é de fato um boi) são as três principais causas da insônia que lhes acomete.
Lamentavelmente comecei a imaginar as inúmeras mulheres que levam uma vida tão agitada quanto a minha e que vez em quando se pegam numa situação como esta a qual me vi. Quantas mulheres que - como eu - tomam importantes decisões como se estivessem decidindo se o café será "com adoçante ou açucar, senhora?". Mulheres que cuidam da casa, educam os filhos (ou quando não os têm, programam-se para tê-los), são esteio da família, trabalham, estudam, e ainda lidam com suas intuições e desejos intimos e secretos. Além de tudo, como se não bastassem as lutas diárias, perdemo-nos numa sensação estranha - porém muito conhecida - de desassossego.
Por que será, meu Deus, que nós temos esta ânsia de "algo mais"? Este desejo de "ir além"? Este interminável questionamento de como fazer para "estar e ser melhor"? Para que este tormento de querer aplicar kaizen (metodologia específica, que promove a eficácia e o melhoramento contínuo) nas coisas da alma? É como se - incansáveis - buscassemos respostas concretas para perguntas abstratas.
Percebi que normalmente somos tiradas deste estado aflitivo de espírito através de INSPIRAÇÃO DIVINA, da ligação de nossa consciência com Deus. É natural que nós tenhamos insights para compreender as causas destes desassossegos d'alma, mas esta correria alucinante e diária nos tira do foco e nos enevoa a visão. Foi por isto (por exemplo) que eu tive insônia, para que me voltasse para meu "eu interior" e conversasse com Deus sobre minhas reais necessidades...
Há momentos em que pedimos ao bondoso Pai: senhor quero um novo amor, quero um novo emprego, quero ser feliz. A partir disso começamos a definir como deverá ser este amor, este emprego e a montar um modelo de felicidade; que grande tolice. Falamos tanto, agimos tanto que esquecemos de calar e ouvir, párar e deixar Deus agir. Talvez eu tenha perdido o sono por "vingança" dos anjos por eu tirar-lhes tanto a paz com meus manifestos e solicitações...
Contudo, posso testemunhar o seguinte: ocorrem verdadeiros milagres em minha vida quando aquieto meu coração e espero confiante a "Inspiração Divina".
Se você corre demais, se atormenta demais, anseia demais, quer ter tudo sob controle: desejo-lhe uma noite de insônia! kkkkk.....

"Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento." - Clarice Lispector

Imagem: julieinversos.zip.net/images/insonia_imag.jpg

sábado, 15 de janeiro de 2011

RESPOSTA DE ANNA ARAÚJO: "Meu Maridão me Traiu?! E Agora?

Esta é a resposta do case que me foi proposto no dia 14.01.2011, não deixem de ler na postagem anterior. Bjos. Anna

"O MARIDO, A AMANTE E MEU RECADO".

Genteee!!! Vocês estão querendo me sacanear com estes cases da vida real? - Conseguiram! rsrsrss...
Mas prometo ser 100% eu! Lá vai...

O MARIDO: "Amada esposa, claro que não a estou traindo. Tenho trabalhado demais! Meu estado de humor tem variado demais, claro, ele depende também do seu humor e do seu ciclo menstrual. Não é fácil, amada minha, ouvir você falar do novo namorado da empregada e ainda ter que lhe dar opinião sobre a cor do uniforme novo que você comprou para ela. Sei que tem um excelente gosto, muito propicio à sua profissão (que tanto admiro, lógico!), mas pelo amor de Nosso Senhor, precisa reformar nossa casa o tempo todo? Além disso, seus pais não poderiam simplesmente vir jantar conosco e depois bater em retirada? É preciso mesmo que eles durmam aqui no quarto ao lado? Haja inspiração para fazer amor falando ao seu ouvido aqueles impropérios que sempre gosta que eu diga, aliás, como você grita quando goza meu amor! - Quanto à minha amante, opa, minha suposta amante: nego até a morte! Você é a luz da minha vida! A mulher que Deus me mandou e que faz de mim o cara mais sortudo e feliz do mundo. A propósito, já ia me esquecendo, dá para você me comprar cuecas novas? Obrigada querida, te amo muito."

A AMANTE (suposta amante-ahahahaaaa): "Não sei como devo chama-lá, talvez deva dizer 'prezada corna' ou 'oficial traída' ou 'sócia', bem acho melhor que você mesma escolha. O fato é que sou aquela que tem "fodido" com seu marido nos últimos tempos. Ele é um homem maravilhoso, divertido, inteligente e é louco para conhecer minha família, acredito que queira estreitar os laços. Quando eu o conheci ele era um cara acabrunhado, com ar de insatisfação estampado na testa. Nos tornamos amigos, ele falava da rotina em que caiu o casamento, que só "trepava" gostoso com você à cada 15 dias quando seus pais não iam visitá-los. Pior, dizia que você não o elogiava e que não ria mais das piadas dele, e que bom que eu o compreendia. Amadaaa, foram essas sucessões de erros de sua parte que fizeram o gajo cair direto em minhas poderosas mãos. Eu o elogio, conto piadas, rio das piadas sem graça que ele conta, jamais o levarei para conhecer meus pais, falo "foder, trepar e meter" descaradamente, digo a ele o quanto ele é inteligente e gostoso de minuto-a-minuto e convincentemente. Não peço nada a ele, mas ele é generoso comigo. Adora minhas calcinhas quase invisíveis e o jeito como fico "de quatro" olhando de lado para ele com cara de anjinho-safado-devorador, eu adoro dar por trás e adoro o modo sacana dele me falar (o tempo todo) aquelas putarias-sublimes em meu ouvido"...

Um recado para o fodão: Você meu amigo comedor, que anda por ai pegando a mulherada, sacaneando a sua esposa, vadiando com essas cadelas no cio... Você vai broxar seu fodido! Vai te dar uma caimbra na vara, bem na hora que você for (iria) gozar...  E quando você chegar em casa com o cheiro da outra no seu nariz, sorte sua - seu baitola-mal-comido - que não sentirá o cheiro do outro macho que trepou com sua mulher em cima do seu lençol predileto. E quanto àquela marca esquisita na tua toalha de rosto, não é creme de leite não. Seu pulha! Seu otário!!!


Imagem: http://alexbrasilm.blogspot.com/2007/05/homem-no-chora.html

MEU MARIDÃO ME TRAIU?! E AGORA?

Meu nome é Paula, tenho 39 anos, sou casada há 14 anos. Sou artista plástica, meu marido é médico, temos uma vida equilibrada, professamos a mesma fé, temos estabilidade financeira, somos parceiros e cumplices. Nos admiramos mutuamente, nossa vida afetiva é harmoniosa e serena. Temos gostos em comum, embora não concordemos em tudo, nos respeitamos. Contudo, há algum tempo noto que ele tem estado distraído, sai sozinho, as vezes não consigo localizá-lo, tem estado impaciente e oscila entre repentes de excitação e introspecção. Graças a Deus, ainda não me pediu para comprar novas cuecas. Desculpe se sou tão detalhista, ocorre que estou  obcecada por descobrir o que está acontecendo. Será que meu maridão amado está me traindo e, caso esteja, que faço??



Imagem de: rascunhandoo.blogspot.com/2010/10/desespero.html

AGUARDE A RESPOSTA DE: ANNA ARAÚJO

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Proposta Decente - RESPOSTA DE HÉLIO FAUZI (macho e colaborador)

Como minha avó dizia: é preciso saber pedir!
Homem com "pegada e conteúdo", somente isso?

Para que um homem consiga levar um relacionamento a sério com uma mulher com o perfil da Mônica, mulher experiente e com um filho para criar, são necessários outros adendos:
1- ser bem sucedido, ganhar bem mais dinheiro que ela, assim mantém o brio de macho;
2- tem que gostar de criança e não querer ter filho tão rápido, para que ele tenha tempo de se afeiçoar de verdade ao garoto (e não apenas tratá-lo bem porque quer "pegar" a mãe dele);
3- precisa se sentir mais inteligente que ela, ao menos vez em quando (nem que seja por caridade), caso contrário haverá grande chance de no futuro ele arranjar uma amante "burrinha e gostosa" para lustrar o ego dele (os cavalos precisam de lustre nos pêlos, nós homens de polimento no ego);
4- em hipótese alguma pode saber que ela é (ou foi) tão devoradora (casos com homens comprometidos, nossas damas? jamais!); queremos contar as nossas aventuras sexuais mas não queremos saber das peripécias de nossas mulheres.

Lugares para aumentar as chances de encontrar homens com este perfil :
  • festas de casamentos;
  • batizados;
  • aniversários de crianças;
  • supermercados de madrugada.
Percam as esperanças (salvo raríssimas exceções) e excluam as possibilidades de encontrar-nos (rsrsrs) em:
  • barzinhos de happy-hour;
  • danceterias;
  • churrascos da faculdade;
  • baile de carnaval;
  • e afins.
Lembrem-se que mulheres para transar precisam apenas ter duas principais caracteristicas: beleza (que é subjetiva) e disponibilidade. Mulheres para casar: nos admirar (elogiem nossa virilidade), saber fazer nossa comida preferida; bom humor e gostar de sexo (conosco). Um outro fator importante, nada adiantará se nós não estivermos dispostos a casar.

Espero ter-lhes sido útil! kkkkkkkk....
Beijos, Hélio.








Proposta Decente

Hélio, meu amigo!
Tenho uma amiga chamada Mônica, 31 anos, separada; com um filho de 6 anos. Ela sai com um ex-namorado que é atualmente casado e tem um affair com um colega de faculdade que é noivo.
Ela tem pose de mulher moderna, é bonita, trabalhadora, inteligente e financeiramente independente. Segundo a própria, para ser "mais feliz do que já é "precisa de um homem que tenha "pegada e conteúdo", ou seja, um homem bom de cama e inteligente. Você, como homem, o que aconselha?

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Mulher moderna assume o que faz!

Estávamos, eu e uma velha amiga, num parque arborizado e tranquilo daqui de Sampa e durante uma longa conversa um Anjo a inspirou a me sugerir o nome para este blog (que a princípio seria - Universo Feminino: sexualidade, poder e humor).

Mas a história começou bem antes deste fato e somente de pensar em revelá-la a tantas pessoas sem rostos, sem nomes, sem endereços, já fico eufórica. Por outro lado, quando penso em tantas outras pessoas que me conhecem há tanto tempo, que me idealizam ou que compram a imagem tão discreta que tenho ao expor minha vida privada (ou seja, essa minha característica de ocultar tão bem as merdas que faço); quando penso nelas, me dá uma baita vontade de voltar atrás e apagar tudo o que ainda nem escrevi. Seria com toda a certeza o caminho mais fácil, contudo não é esta a minha nova proposta de vida. Preciso encarar o bem e o mal em mim para, somente então, conseguir trilhar o caminho do meio, também conhecido como equilíbrio e serenidade: o universo do-EU! E ainda que venha a doer, e eu sei que dói, vale a pena me comprometer em trilhar este caminho.

Enrolação à parte, lá vai a "história"...
Num sabadão a tarde fui a um “churras” com uma turma m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-a que conheci numa viagem à Santa Catarina. Semanas antes havia viajado com algumas amigas da “facu” e lá nos enturmamos com esta galera, foi legal. Fizemos amizade e , já de volta a Sampa, resolvemos marcar uma confraternização, este tal churrasco! E lá fui eu, levando as canecas de alumínio compradas lá na festa, daí passamos a tarde rindo e adentramos a noite bebendo. Bebemos pacas (com exceção dos que iriam dirigir). No final da festa, como todos sabem, sempre fica a galerinha da saideira e eu no meio, é evidente.
Tinha um garoto, o primo do meu amigo, que conversou comigo sobre politica - sinceramente não lembro nada do que ele disse nem do que respondi - mas achei que o cara era inteligente. Sempre considerei inteligência um afrodisíaco e quando misturada à bebida, caramba que tesão (sinceramente, a bebida faz o feio ficar bonito tanto quanto faz qualquer um parecer mais atraente) e resolvi "ficar" com ele ali mesmo...
Tenho certeza absoluta que nem eu nem ele sentimos nenhum outro prazer que não a adrenalina de transar sobre a muretinha-do-gás que ficava lá nos fundos da casa. De resto, só prejuízos! Arranhei meu relógio de estimação e fiquei com dor na virilha (mas na hora não me importei). E para fechar a noite com glamour, na sequência, fomos flagrados - literalmente - com as calças nas mãos. Enfim, fui para casa, bêbada, e dormi. Dormi sentada na privada por pelo menos duas horas.
Resultado físico: dor nas ancas (por ter dormido sentada), dor de cabeça pelo excesso de álcool na veia. Resultado emocional: uma baita "ressaca moral" por ter transado (pela primeira vez em trinta e tantos anos) com um homem do qual eu não sabia absolutamente nada, nada além do apelido e do partido político (como se isto me interessasse). Por fim, resultado mental: auto critica e reflexão.
Claro que sei bem o porquê deste desvario! - Tanto quanto sei o porquê desta pseudo necessidade de auto afirmação! - Quer saber? - É simples, tudo aquilo, foi e é tão comum que parece normal! Beber, trepar, fumar, entorpecer todos os sentidos do corpo e da mente – são coisas que muitos de nós fazem a todo tempo. Aliás, é tudo muito engraçado! Dá prestígio e reconhecimento da galera!!!
Só não sei no que isto me ajudou/ajuda a ser uma mulher mais feliz e mais segura! Sabe de uma coisa? - Não sei se isto acontece com você! - Mas a minha própria consciência me alerta, não precisa nenhum intrometido me dizer, eu sinto quando faço algo – que mesmo parecendo “de boa” - não é legal, e não devo voltar a fazer!
Por isso, naquela manhã, cabisbaixa, fui para o parque! Precisava urgentemente abraçar uma árvore, andar descalça na grama, recarregar minha bateria – conversar comigo - e me recriminar e me penitenciar por ter agido como um homem.
A imagem que normalmente faço de mim é a de uma mulher bem resolvida, que sabe o que quer, que não tem medo de gozar os prazeres que a vida oferece, que arca com as escolhas que faz; que é alegre, moderna e ousada... É verdade: sou independente, inteligente, educada e não gosto de dar satisfação da minha a vida a ninguém. Sou mulher moderna sim senhor!
Mas, neste caso especifico, sou também a mulher (a mulher-macho) que imitou os homens e que não conseguiu amanhecer sorrindo e cantando, ao contrário, sou a mulher que ficou arrazada! A mulher gostaria de ter imitado os homens e simplesmente ter acordado, se olhado no espelho e dito: “ bom dia fodonaaaa! Comeu todos ontem, né gostosona!?”. Mas, infelizmente ou felizmente, não fui tão macho quanto gostaria! E, como muito mulher que sou, assumo minha frustração meu desencantamento, meu mal estar comigo mesma, pela conduta que tive e que não faz parte dos valores que quero fortalecer no eu-Espírito.
Foi então que resolvi criar este blog para falar dos conflitos de me/se assumir mulher, com todas as possíveis fragilidades, neste universo masculino. Para falar de sentimentos e percepções neste e deste mundo prático e veloz. Falar de sensibilidades e suscetibilidades neste cenário moderno e competitivo que faz com que o masculino e o feminino – gêneros que tem características comuns, sim, no entanto são diferentes – se mesclem tanto que, por vezes, se distanciem de sua própria natureza e, com este distanciamento, chegam a comprometer ou causar danos em suas essências.
E, só para avisar, nesta empreitada, nesta busca pelo auto conhecimento, as vezes vou recorrer ao meu “lado masculino" (sim possuo um lado mais objetivo e duro - risos) de ver e de interpretar acontecimentos do cotidiano. Outras vezes vou recorrer ao meu “lado feminino" (sensível e intuitivo) de pensar e de agir. Confuso? - Não, serei somente eu, nua e sem pudores, a desfilar na sua frente!!! 

imagem-copiada-de:www-underwearsclub.blogspot.com