terça-feira, 13 de novembro de 2012

INVESTIGAÇÃO PSICOLÓGICA


Sinto um cansaço imensurável, de ceder, de dar de mim a outro ser. O amor, uma bela paisagem ao longo da estrada, com a proximidade perde-se o todo, à imagem grandiosa de antes se destacam as pequeninas partes e os muitos pormenores, então, desejo o regresso, sinto falta da estrada. Como ser romântico sem desencantar e entediar o amor? - Anna Araújo

“O amor romântico é como um traje, que, como não é eterno, dura tanto quanto dura; e, em breve, sob a veste do ideal que formamos, que se esfacela, surge o corpo real da pessoa humana, em que o vestimos. O amor romântico, portanto, é um caminho de desilusão. Só o não é quando a desilusão, aceite desde o princípio,  decide variar de ideal constantemente, tecer constantemente, nas oficinas da alma, novos trajes, com que constantemente se renove o aspecto da criatura, por eles vestida.” - Fernando Pessoa.

Às vezes sou mordaz e cruel: prefiro o humor sarcástico, o silêncio às sinfonias, espinhos e dedos que sangram, amar e matar o sentir. Não quero ser insensível. - Anna Araújo

"O mundo é de quem não sente. A condição essencial para se ser um homem prático é a ausência de sensibilidade." - Fernando Pessoa

Percebo em mim: uma inadaptabilidade ao mundo, um universo na mente e um tormento - particular - de querer e não poder estar só. Quero ser livre, não solitária. - Anna Araújo

"A liberdade é a possibilidade do isolamento. Se te é impossível viver só, nasceste escravo." - Fernando Pessoa

Quero viver um grande amor, ter histórias para contar aos meus netos.  - Anna Araújo

"A vida prejudica a expressão da vida. Se eu vivesse um grande amor nunca o poderia contar." - Fernando Pessoa

Abri meus armários,  vasculhei minhas gavetas, vesti sentimentos antigos - no espelho - já não os reconheci, descartei angustias, senti náuseas da naftalina e expeli velhas e corcundas culpas, queimei roupas rotas e rasguei sorrisos fingidos, reorganizei vibradores e chicotes - irei doá-los qualquer dia destes, fiz as malas, tranquei todas as portas e sai sem olhar para trás. Aonde vou, não sei. Temo não ter sentido o caminho. - Anna Araújo

"Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." - Fernando Pessoa

Nenhum comentário:

Postar um comentário