quinta-feira, 9 de maio de 2013

AMOR À DISTÂNCIA


Amor à distância
"Se porventura, a vida separou alguém de vós, por motivo que desconheceis, não entristeçais. Deus é muito mais sábio do que julgais. E, se amais verdadeiramente esse alguém, ele está em vosso coração, pois os recursos para tal podeis desenvolver, e as distâncias não existirão mais. Se por acaso sofreis a estranha doença da melancolia, com saudades profundas de alguém que não conheceis no presente, não desdenheis a vida por esse fato. Essa alma existe em algum lugar e também sofre, com certeza, as mesmas consequências. Sede inteligentes: apurai os sentimentos, desdobrai a tolerância e aumentai a fé em Deus, que o encontro há de se dar por sintonia, pois na matemática divina, a equação é...AMOR". Horizontes da Mente, Miramez, João Nunes Maia  (7.ª edição, 1992, Editora Espírita Cristã Fonte Viva, Brasil, p.161).


Caríssima Amiga,
... Não, não estou triste não; só saudosa de ti! Quando chegaste em minha vida, ou de teu ponto de vista - quando eu cheguei à tua, nem tinha noção que se tratava de Amor com A maiúsculo. Eu, tão despreocupada  de amar, amava-te com devoção. Mensurar boas ou más qualidades era coisa descabida. Nunca apontei os teus ou tu apontaste os meus defeitos, sofríamos resignadamente uma pela dor da outra. Havia sintonia no olhar e no pensar, embora pensássemos e agíssemos tantas vezes diferentemente, ora, sempre respeitamos nossas individualidades - e isto jamais precisou ser questionado. 
Sinto pena de mim por não ter aproveitado melhor teus abraços; é que não sabia que um dia sentiria tanta falta deles. Conheci o significado de altruísmo contigo, serei sempre grata por este ensinamento. Tu sabes que procuro não pensar em ti, é uma atitude espontânea - uma defesa, mas quando me ligo em ti sinto como se tu tivesses partido ontem. Teus espaços em meus sentidos jamais serão preenchidos. Aquele dia que, mesmo com amor, cozinhaste tão mal; dia em que comi e, com o mesmo amor, menti que gostei (lembra?); sinto falta daquela atenção costumeira e daquele desvelo amoroso...
Mas definitivamente não estou triste! Choro de saudade, baita saudade de ti! Vinte anos de saudades! Já doei aquelas roupas, guardei no fundo do armário a tua letra e tua foto, me distanciei de tudo o que é físico que me faça querer materializar tua presença. Não preciso destas coisinhas, preciso é de ti! 
Meu coração transborda de amor por ti! Quando sonhei contigo aquele dia tive certeza que estavas bem, fiquei imensamente grata a Deus por poder me certificar de teu restabelecimento, por isto não estou triste.
Lógico que se disser que estou feliz estarei sendo parcialmente verdadeira, afinal de contas na equação do amor ainda estou em exame por causa do meu egoísmo, gostaria mesmo é que nunca tivesses partido.
...Então, eu daqui envio a ti aquele meu olhar embevecido de admiração e afeto; segue também meu encantamento inocente (por favor, guarda contigo); quero que fiques também com a chave de teu refugio em meu coração (sei que lá te sentiras sempre segura); em anexo observa relatado o quanto tenho progredido e, após ler, jogue fora as confissões que outrora quis, mas nunca lhe fiz (sei são pecados vencidos e tolos, pode rir!); por último (jamais por fim) receba meu abraço e meu sorriso largo.
A você: meu melhor AMOR!!!



Nenhum comentário:

Postar um comentário