quarta-feira, 17 de junho de 2015

SÓ PRA TE CONTAR!

Uso boina! Algumas vezes sou dura, vez em quando perco a ternura! Não sou comunista, embora na adolescência tenha andado com alguns companheiros que eram. Sou afeiçoada à poesia de Maiakovski! Concordo com o pensamento Marxista, principalmente no que se refere à supra existência da relação dominante-dominado na sociedade capitalista.
Não gosto de discutir politica, tão pouco me deixo rotular de apolítica (na verdade isto nem existe!).
Já li Paulo Coelho, Augusto Cury, Zibia Gaspareto, Sabrina e Julia, hoje não tenho mais motivação em lê-los.
Sou adepta do sedentarismo, passo errado do qual pouco me envergonho e, bem sei, que deveria me envergonhar.
Ouço jazz porque aprendi a ouvir, antes, não gostava. Jazz é coisa pra gente deveras louca ou, quem sabe, pra gente deveras equilibrada. O improviso é a libertação da alma que se transforma em musica! Haja alma!
Toda vez que tropeço tento dizer "misericórdia!", só que a mente me trai, e solto um "ai caralho!" ou algo semelhante. Evoluir nas coisas pequenas, eita desafio sem fim!
Tenho uma pequena mancha de nascença no braço, certa vez me assustei pois pensei que era sujeira. Daí percebi que há meses não me reparava, sequer me olhava nos olhos!
Outro dia cheguei em casa mais cedo, já estava com tudo programado, pensei "vou lavar o banheiro e limpar meu quarto". Assim que entrei em casa, desisti, peguei uma cerveja, um punhado de amendoins e me pus a ler mitologia grega.
Descobri que sou apaixonada por Mário Quintana, sou apaixonada por Mercedes Sosa, sou apaixonada por comédias românticas, sou apaixonada por mim, sou apaixonada pela cor vermelha, sou apaixonada por trabalhar, sou apaixonada por comandar, sou apaixonada por fazer as pessoas sorrirem. E são tantas outras paixões que cabem em meu universo particular que as acumulo e convivo com elas com transbordante gratidão.
Meus desafetos não são muitos, somente aqueles que não usam a seta ao dirigir, aqueles que falam alto demais em lugares impróprios. - Os lugares próprios para gritar são a feira, o Mc Donalds (para os atendentes), a lotação quando se está lá no fundão e quer descer no próximo, o outro lado da rua quando se quer muito chamar a atenção de algum conhecido distraído (e em hipótese alguma se deve gritar o nome da pessoa).
Mentir me desassossega,  primeiro por mentir, segundo por poder ser pega na mentira. E não posso dizer sob quais aspectos me pego mentindo, não são muitos não, chamo de "mentiras brancas" (são aquelas mentiras que não fazem mal, nos polpam e polpam muita conversa fiada). - Tá bom,  vou citar um exemplo: alguém muito, muito feio me pergunta "to bonito/a?", respondo mentindo "tá!". Caramba, lógico que não está,  e é pouco possível que um dia fique. E por ai vai! 
imagem: www.campograndeinfo.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário