terça-feira, 29 de setembro de 2015

SE A MUDINHA FALAR

Ontem cheguei em Mari e disse: "coisinha, tu não tem futuro!"
Ela mirou bem minha fuça e me deu uma saraivada de bofetes! - Logo pensei: "oh, vida sem jeito!"
Trabalho até tarde, com alguns intervalos nos durantes - que não sou de ferro. Com meu salário pago todas as minhas contas: a da bodega do Zé Ernesto, a do clube da manguaça, o da quadra de futebol, o rateio dos churrascos das terças e quintas, a quitanda da  Juventina onde compro os confeites das meninas (lá da vila boquete)... Pronto! Acabou o dinheiro!
Pessoa mais sem noção é Maricéu! Acho até que céu mesmo só no nome! É fim de carreira uma mulher destas: violenta, gritadeira, impaciente e fofoqueira.
Andou dizendo por ai que num dou conta dela na cama, que ando brochado, que só chego em casa capengando... Mulher desalmada! - Será que ela acredita que me apetece comer mulher de calça florida - grudada na chavasca - e de cabelo de totó? - Pois se acha, tá certa, me apetece! Acontece que antes de chegar em casa passo por um jardim cheinho de mulher assim, aquelas que pegam meus confeites lá na vila boquete!
Cara, eis aqui um homem mal compreendido! - Sou viado não, porra! Sou é macho, macho machucado! Sem eira nem beira, sim, e sem frescura também!
Gosto de pinga nova, mulher peluda-pelada, chinelo sem marca, camiseta da politica retrasada; só que tenho meus luxos também! Pois é, sou um cabra danado, gosto de cigarro hollywood, gosto de copo pequeno pra tomar café, gosto de combinar o boné com o tênis e uso cinturão de couro caramelo. Tenho orgulho de dizer!
Camarada, duns dias pra cá ando agoniado! Tava precisando desabafar! - Então vou te dizer, só que olhando bem pro chão, tenho coragem de te olhar nos olhos não... Lá vai: Quitéria, prima de Zequinha de Conceição (sabe?! - aquela mudinha, abestado!!!),  pois é, a pobre da Quitéria andou querendo dos meus confeites. Dei a ela, menina gulosa, bebeu tanta mais tanta aguá que ficou buchuda!
Como é que eu conto isto pra padre Oleocardio na missa de domingo agora? Me diga? - Rapaz, tô com uma gastura dos infernos! Direto fico pensando em como chegar em Céu, e num é o céu do firmamento não - é minha Mari mesmo! Arre, prefiro encarar o representante do altíssimo que enfrentar aquela baixote aqui na Terra. 
Por isto, seu bodão, bula comigo não! Tô virado num saci! Doidinho pra rasgar um de faca! Mas não é de valentia não, é de medo... medo da mudinha falar!!!
Ô, seu Leocardio bote mais um naco de cachaça aqui! ... Seu Cardinho, bote esta garrafa toda bote!!! - Desculpa seu Zé Ernesto, tô confuso! - Pai do céu!!! Tô bebinho! Mas, me livra de Mari, amém!!!
Sabe, seu nó cego, sou um homem sem futuro! Bom mesmo, bom pra valer, só Mazaroppi!

Nenhum comentário:

Postar um comentário